We have much to say

Válvula Retificadora

By Postado em - artigo técnico on julho 9th, 2016 0 Comments RCA-5U4GB-2

Muito se fala sobre a válvula retificadora e seus efeitos num circuito de um amplificador valvulado de guitarra ou harmônica. Contudo, muitos músicos e “entendidos” generalizam para todos amps os efeitos que em verdade acontecem apenas em alguns determinados circuitos. É necessário, portanto, saber o que faz a retificadora e em que tipo de circuito ela exercerá influências ou não.

A retificadora é uma válvula que recebe uma tensão alternada do transformador de força e a converte em uma tensão de corrente contínua para servir ao trabalho das válvulas do amplificador. Este serviço de transformar a corrente alternada corrente contínua se chama “retificação”, e daí o nome da válvula. Estas tensões são altas e antigamente apenas a válvula retificadora poderia fazer este serviço, pois os diodos de silício seriam inventados mais adiante.

Toda válvula retificadora possui uma chamada “resistência interna”. Dependendo então da quantidade de corrente que passa pela válvula retificadora, haverá uma queda de tensão fornecida ao circuito do amplificador devido a sua resistência interna. Os circuitos das fontes dos amplificadores são então dimensionados já prevendo a queda que terá a tensão com uma determinada retificadora, para que o circuito receba a tensão desejada ao seu funcionamento dado uma determinada corrente de consumo.

Alguns circuitos (não todos), porém, possuem o que chamamos de “flutuação de corrente”. Isto significa que o amplificador estará consumindo uma determinada corrente enquanto está em “repouso” (quando o guitarrista não está tocando as cordas da guitarra), mas haverá uma acréscimo violento de corrente de consumo se o amplificador for exigido até seu máximo de potência. Esta súbita demanda pode gerar consumo de praticamente o dobro de corrente da fonte. Esta nova corrente de consumo (com o amplificador no máximo de potência) passará pela retificadora provocando uma maior queda de tensão e, por consequência, diminuindo levemente a potência de saída do amplificador devido a esta queda de tensão.

No momento em que a queda de tensão gerada pela retificadora age no circuito de forma proporcional ao aumento de sinal, a consequência natural (e por definição) será uma leve compressão sonora por queda de potência. Em outras palavras, quanto mais se exige do amplificador, maior é a queda de tensão gerada pela retificadora; logo, quanto maior a queda de tensão, menor é apotência de saída.
Tudo isso acontecede forma muito tênue… gerando um sentimento interessante ao guitarrista pois o amplificador tenderá a segurar a potência nos nos ataques em acordes e a se soltar mais livremente nos solos. Também gera um bom “sustain”, pois o amp segura a potência ao ataque da corda da guitarra, mas se solta mais à medida que o sinal da corda vai se esvaindo.
Os amplificadores que possuem alta flutuação de corrente são os classe AB que possuem regulagem de bias fixo (bias por negativação de grade de entrada). Como isso não ajuda muito os amigos músicos a saberem que amplificadores são estes, melhor colocar então alguns exemplos de amplificadores com esta topologia:
– em geral, todos amps de 45 à 50w com duas válvulas de power 6L6 ou EL34; entre estes estariam os Fender Bassman (1959), qualquer Marshall com 50w, qq Fender anos 60 com mais de 40w. Amplificadores com válvulas menos potentes também podem ser com esta topologia, entre ele estariam os Fender Deluxe, Blues Junior, Laney LC15, etc.

As grandes indústrias possuem grande preferência pela topologia AB fixo pois estes são os que extraem maior potência de um mesmo par de válvulas. Na linha Serrano Amps os amplificadores classe AB com bias fixo seriam os Victory, Centurion, Majesty.

As válvulas retificadoras não exercem nenhuma função adicional aos amps sem flutuação de corrente. Entre estes amps estariam os classe A. E também os Classe AB com regulagem de bias por catodo. Sendo nestes amplificadores o fluxo de corrente constante, então não há variação de corrente para que a válvula retificadora possa produzir queda de tensão!!!
Então, quando conversar sobre o assunto, cuidado para não generalizar, pois , como dito, nem todo amplificador sofre compressão de potência por usar retificadora.
E, sendo assim, nestes modelos nem é válido o uso de retificadora, mas de diodos de silício que vão fazer o mesmo serviço com inúmeras vantagens.

Os Serrano Amps possuem sistema de segurança contra um eventual curto interno de uma válvula retificadora. Fato raro de acontecer, mas melhor prevenir do que remediar.

texto de André Serrano
reprodução permitida somente com a citação do autor

Comments are closed.